Ansiedade/ Anxiety #paposério

Você sabia que segundo a OMS cerca de 33% da população mundial sofre com algum tipo de transtorno de ansiedade?

Poucas pessoas sabem mas a ansiedade é uma doença que sem cuidados no início pode se tornar um transtorno grave, então vamos entender o que é a ansiedade, como identifica-la e como essa doença pode ser tratada.

O que é a ansiedade?

Sinônimos: Angústia

A ansiedade é uma emoção normal do ser humanos, comum ao se enfrentar algum problema no trabalho, antes de uma prova ou diante de decisões difíceis do dia a dia. No entanto, ansiedade excessiva pode se tornar uma doença, ou melhor, um distúrbio de ansiedade.

Pessoas que sofrem de distúrbios de ansiedade sentem uma preocupação e medo excessivos em situações simples da sua rotina, além de alguns sintomas físicos, o que atrapalha suas atividades cotidianas, já que eles são difíceis de controlar.

Por sorte, os distúrbios de ansiedade podem ser tratados.

Tipos:

Existem diversos tipos de distúrbios de ansiedade. Os mais comuns são:

  • Transtorno de ansiedade generalizada.
  • Síndrome do pânico
  • Fobia Social
  • Fobias específicas (claustrofobia, aracnofobia, agorafobia, etc).

Há outros quadros que têm a ansiedade como pano de fundo:

  • Transtorno obsessivo compulsivo (T.O.C)
  • Transtorno de estresse pós-traumático
  • Transtorno fóbico-ansioso

Causas:

Não se sabe ao certo porque algumas pessoas são mais propensas a ansiedade descontrolada do que outras. Alguns dos fatores que podem estar envolvidos nisso são:

  • Genética, ou seja, histórico familiar de transtornos de ansiedade.
  • Ambiente, por exemplo, passar por algum evento traumático ou estressante.
  • Mentalidade ou modelo de pensamentos, ou seja, a forma como a pessoa estrutura seus pensamentos ou linha de raciocínios e, consequentemente, encara as situações do dia a dia.

Doenças físicas:

Entre as doenças físicas que podem estar relacionadas á ansiedade, encontramos:

  • Problemas cardiovasculares, como as arritmias cardíacas.
  • Doenças hormonais, como hipertireoidismo ou hiperadrenocorticismo (aumento de atividade da glândula adrenal)
  • Problemas respiratórios
  • Dores crônicas
  • Abuso de drogas, álcool ou medicações como os benzodiazepínicos.

Por isso é importante buscar um psiquiatra para que ele pesquise se não há causas físicas por trás de seu problema de ansiedade.

Fatores de risco:t

Algumas pessoas são mais propensas a terem distúrbios de ansiedade. Os principais fatores de risco são:

  • Eventos traumáticos na infância ou mesmo na vida adulta.
  • Estresse relacionado a doenças físicas sérias.
  • Acumulo de estresse.
  • Tipo de personalidade naturalmente ansiosa.
  • Abuso de substâncias, como álcool, cigarro e drogas ilícitas.

Sintomas de ansiedade:

A ansiedade e seus transtornos podem causar sintomas tanto mentais quanto físicos, que atrapalham o dia a dia de diversas formas.

Sintomas psicológicos da ansiedade:

  • Constante tensão ou nervosismo.
  • Sensação de que algo ruim vai acontecer.
  • Problemas de concentração 
  • Medo constante 
  • Descontrole sobre os pensamentos, principalmente dificuldade em esquecer objeto de tensão.
  • Preocupação exagerada em comparação com a realidade.
  • Problemas para dormir.
  • Irritabilidade.
  • Agitação dos braços e pernas.

Sintomas físicos da ansiedade:

  • Dor ou aperto no peito e aumento das batidas do coração.
  • Respiração ofegante ou falta de ar.
  • Aumento de suor.
  • Tremores nas mãos ou outras partes do corpo.
  • Sensação de fraqueza e cansaço.
  • Boca seca.
  • Mãos e pés frios ou suados
  • Náuseas.
  • Tensão muscular.
  • Dor de barriga ou diarreia.

Ataques de pânico:

Os ataques de pânico são uma reação comum aos transtornos de ansiedade, principalmente na síndrome do pânico. Sua principais características são:

  • Sensação de nervosismo e pânico incontrolável.
  • Sensação de morte
  • Aumento da respiração 
  • aumento da frequência cardíaca.
  • Tonturas e vertigens.
  • Problemas gastrointestinais. 

Em alguns casos, os sintomas físicos são tão intensos que podem ser confundidos com doenças como infarto e outros eventos cardiovasculares.

Buscando ajuda médica:

O ideal é procurar ajuda médica a partir do momento em que os distúrbios de ansiedade produz algum tipo de desprazer ou sofrimento, interferindo negativamente na qualidade de vida.

Muitas pessoas costumam ter dúvidas em relação á busca do profissional, que pode ser um psicólogo ou um  psiquiatra. Vale dizer que se forem fatores do desenvolvimento da personalidade,traumas, crises, a conduta mais adequada é procurar uma psicoterapia. Já se os fatores causais tiverem origem biológica, a chamada “ansiedade biológica”, o psiquiatra deve ser procurado.

Sentir ansiedade é normal, mas quando ela passa a ser persistente e fora de seu controle, é bom marcar uma consulta médica com um psiquiatra. Principalmente se há:

  • Preocupação excessiva, a ponto de interferir no trabalho, relacionamentos e em outras partes da sua vida.
  • Sintomas de depressão, de alcoolismo ou dependência química á drogas.
  • Pensamentos e comportamentos suicidas  

Preocupações derivadas da ansiedade e seus transtornos não desaparecem por conta própria pelo contrário, elas só tendem a piorar. Por isso tratamento e suporte médico são imprescindíveis. Procurar ajuda médica antes da ansiedade se tornar um problema ainda maior também é crucial para evitar complicações.

Diagnósticos e exames: 

Na consulta médica:

Especialistas que podem diagnosticar a ansiedade são:

  • Clinico geral
  • Psiquiatra
  • Psicologo

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar á consulta com algumas informações:

  • Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram.
  • Histórico médico, incluindo outras condições que o paciente tenha e medicamentos ou suplementos que ele tome com regularidade.
  • Se possível, peça para que alguém o acompanhe.

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

  • Quais são os sintomas e quão severos eles são?
  • Como estes sintomas impactam no seu dia a dia?
  • Você já teve um ataque de pânico?
  • Você costuma evitar situações que te deixam ansioso?
  • Seus sentimentos de ansiedade são ocasionais ou contínuos?
  • Quando você começou a notar que estava muito ansioso?
  • O que parece aumentar sua ansiedade?
  • Você já passou por alguma experiência traumática?
  • Você tem ou já teve outras condições de saúde física ou mental?
  • Você usa medicamentos?
  • Você tem histórico familiar de ansiedade?

Também é importante levar suas dúvidas para a consulta por escrito, começando pela mais importante. Isso garante que você conseguirá respostas para todas as perguntas relevantes antes da consulta acabar. Para ansiedade, algumas perguntas básicas incluem :

  • Qual é a causa mais provável para minha ansiedade?
  • Existem outros fatores que podem estar piorando minha ansiedade?
  • Eu preciso ver outro médico ou psicólogo?
  • Que tipo de terapia pode me ajudar?
  • Posso fazer algum tipo de terapia complementar?
  • Além do tratamento, o que posso fazer para ajudar a reduzir a ansiedade?

Não hesite em fazer outras perguntas, caso elas ocorram no momento da consulta.

Diagnóstico de ansiedade:

O profissional começará investigando se há alguma causa física para sua ansiedade excessiva. Enquanto isso, ele também terá uma conversa para fazer análise e entender que condições podem estar levando você a ter essa ansiedade exagerada.

Existe alguns “marcadores biológicos” que também podem estar ligados á ansiedade, como a dosagem de cortisol (um hormônio importante no estresse), alterações de glicemia ou dos hormônios sexuais, entre outros.

Caso o médico não identifique causas físicas, ele pode comparar seus sintomas com o Manual Diagnóstico de transtornos mentais (DSM-5) para entender qual é o seu quadro.

Tratamento de ansiedade:

Caso a ansiedade excessiva esteja relacionada a uma doença física. seu tratamento adequado já trará alívio dos sintomas.

No entanto, se o paciente sofre de algum transtorno de ansiedade, o tratamento pode envolver diversas abordagens.

Um dos métodos mais utilizados é a terapia cognitivo-comportamental (T.C.C),em tratamento normalmente feito em curto prazo e que permite você retomar aos poucos as suas atividades cotidianas que antes eram evitadas devido á ansiedade.

Psicoterapia:

A terapia com o psicólogo pode ajudar o paciente a entender os fatores do dia a dia que desencadeiam sua ansiedade, reduzir seus sintomas e trabalhar os eventos que te levaram a desenvolver este problema.

Estratégias para controlar a ansiedade

  • Sessões de Psicoterapia
  • Praticar atividade física
  • Praticar meditação
  • Ouvir Música
  • Manter alimentação saudáveis

Medicamentos para Ansiedade:

Diversos medicamentos podem ser usados para o tratamento de ansiedade como:

Os medicamentos mais usados para o tratamento de ansiedade são:

  • Alenthus Xr
  • Alprazolam
  • Amplictil
  • Ansitec
  • Apraz
  • Bromazepam
  • Clonazepam
  • Cloxazolam
  • Diazepam
  • Donaren
  • Efexor XR
  • Frisium
  • Fluoxetina
  • Frontal
  • Hixizine
  • Lexotan
  • Lorax
  • Lorazepam
  • Mirtazapina
  • Olcadil
  • Paroxetina
  • Risperidona
  • Rivotril
  • Sertralina

Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.

Convivendo (Prognóstico):

A maior parte das pessoas com ansiedade começa a se sentir melhor e retoma as suas atividades depois de algumas semanas de tratamento. Por isso, é importante procurar ajuda especializada na unidade de saúde mais próxima. o diagnóstico precoce e preciso da ansiedade, com tratamento eficaz e acompanhamento por um prazo longo são imprescindíveis para obter melhores resultados e menores prejuízos.

Complicações possíveis:

  • Depressão
  • Abuso de substâncias
  • Insônia e outros distúrbios do sono 
  • Problemas digestivos 
  • Isolamento social
  • Problemas nos estudos, trabalho e vida pessoal.
  • Suicídio

Convivendo/prognóstico:

Além de seguir o tratamento a risca, alguns cuidados caseiros podem ajudar na recuperação de quem sofre de ansiedade excessiva, como:

  • Manter-se ativo: atividades físicas são uma forma poderosa de reduzir o estresse, pois liberam neurotransmissores relacionados ao bem estar.
  • Evitar álcool e outras drogas: essas substâncias podem piorar a ansiedade.
  • Pare de fumar ou de beber cafeína:a nicotina e a cafeína são estimulantes, piorando o quadro de ansiedade.
  • Procure técnicas de relaxamento: exercícios de respiração,ioga, pilates.

Prevenção:

A ansiedade pode ser prevenida a partir de medidas de qualidade de vida.

Exercícios físicos diários, alimentação balanceada, equilibrada e de boa qualidade, cuidar da qualidade do sono, arte-terapia, lazer.

Estatísticas %:

O Brasil tem a maior taxa

de transtorno de ansiedade do mundo segundo a OMS 18,6 milhões de brasileiros viviam em algum tipo de transtorno de ansiedade em 2015 e 11,5 milhões de pessoas com depressão no país.

Segundo a OMS 33% da população mundial sofre de ansiedade.

A região metropolitana de SP possui a maior incidência de pertubações mentais no mundo. O estudo revela que 29,6% dos paulistanos são atingidos pela ansiedade.

E ai, você é uma pessoa ansiosa? Qual o seu nível de ansiedade?

Próximo post que saíra em seguida desse falaremos sobre 13 sintomas da ansiedade que merecem a sua atenção.

Um beijo, fiquem com Deus e até a próxima!

Deixe uma resposta